domingo, 26 de julho de 2009

Não é meu u.u

Bom fiéis leitores deste blog, hoje posterei um texto que recebi por e-mail e que achei simplesmente fantástico, e me fez gritar Why God Whyyy pra conduta das pessoas que estão atualmente no poder brasileiro. Espero que gostem e deem tanta risada quanto eu.

Dois Presidentes Nordestinos: Castello Branco e Lula
Um é Cearense e o outro Pernambucano.
Ao ver Lula defendendo seu filho que recebeu R$ 15 milhões de reais da
TELEMAR para tocar sua empresa, Élio Gáspari publicou essa história
tirada do fundo do baú:
Em 1966 o presidente Castello Branco leu nos jornais que seu irmão,
funcionário com cargo na Receita Federal, ganhara um carro Aero
Willys, em agradecimento dos colegas funcionários pela ajuda que dera
na lei que organizava a carreira.
O presidente Castello Branco telefonou mandando que ele devolvesse o
carro. O irmão argumentou que se devolvesse ficaria desmoralizado em
seu cargo.
O presidente Castelo Branco interrompeu-o dizendo:
- Meu irmão, afastado do cargo você já está. Estou decidindo agora se
você vai preso ou não.
E o Lula ainda alega que não existe ninguém "neste país" com mais
moral e ética do que ele...
Hoje, refletindo a respeito dos efeitos do nada sobre coisa nenhuma,
me dei conta de que:
O Brasil é o único país do mundo governado por um analfabeto que
assinou uma reforma ortográfica;
Um alcoólatra que instituiu uma lei seca, e;
Que ainda teve a petulância de pedir a Deus para dar Inteligência ao
Barack Obama, que é formado em Harvard.




--
Veslei Pereira
Uberaba/MG

sábado, 18 de julho de 2009

Fone de ouvido existe!

Olá. Não sei se você já passou por isso, é uma situação muito chata e que acontece bastante aqui na cidade. Você entra num ônibus, numa padaria, num supermercado ou em qualquer outro lugar freqüentado por todo tipo de pessoa e de repente alguém liga o seu MP647545645648 comprado no camelô no último volume com alguma música ruim. ><. É excrucitante! O que me deixa com vontade de gritar Why God Whyyy não é a pessoa ouvir sua música ruim, todo mundo tem o direito de ouvir o que quiser, mas POR QUE DEUS, POR QUÊ ESSE CIDADÃO NÃO PODE USAR O FONE DE OUVIDO????? Não. Ele comprou o seu MP545645 é quer mostrar pra todo mundo como o som é potente! Como ele é rico e pode possuir coisas da última moda. Como é bom o seu gosto musical (sic)!!!! Não sou obrigada a ouvir o que eu não quero. Deveria haver uma lei que proibe esse tipo de coisa, afinal, estamos num ambiente público, e vou presa se pegar essa merda desse aparelho que está e azucrinando os pensamentos e jogar no chão com toda a força e depois pisar até sobrar só o pó, bem como quebrar a cara do dono infeliz. Queria descobrir porque as pessoas acham que as outras vão gostar de ouvir o que ela tá ouvindo. E já repararam como nunca é uma música que te agrada? Quando estava fazendo aulas de direção, pegava o ônibus sempre no mesmo horário, e por ser um horário que as pessoas estão indo trabalhar, sempre via os mesmos cidadãos ali, espremidos na lata de sardinha que se torna os ônibus do Guarujá em horário de pico, e todos os dias, um mesmo cidadão ligava seu MP45456456456 no máximo volume NA MESMA PORCARIA DE MÚSICA!!! Era uma música gospel do pior tipo (nada contra, mas algumas não me agradam), onde no meio da música as pessoas começam agritar coisas, e ficava repetindo essa bosta dessa música durante 20 insuportáveis minutos. Eu reparava na cara de satisfação do otário que fazia isso, e na cara de 'ai que porra' das pessoas do ônibus, até que no último dia que peguei esse ônibus, vi um senhor se dirigir a ele e falar que não agüentava mais, e ele, muito a contra-gosto, desligar aquela coisa. Quase puxei uma salva de palmas pro senhorzinho, mas achei melhor não. Sou totalmente a favor de ouvir música em todo lugar, desde que se use do bom senso e utilize fones de ouvido para que o restante da população não sofra com o seu gosto musical.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Catálogo Hermes




























Sou Corinthiana. De coração. Amo meu time, de verdade. Mas algo tem me incomodado E MUITO, ultimamente. É a quantidade de logomarcas de patrocinadores em nosso manto sagrado. Ok, patrocinadores são importantes, são eles que pagam os salários e tudo o mais, como o nome bem diz, patrocina o time. Mas não pude deixar de comparar NOSSA camisa a um catálogo da Hermes ou semelhante, desses que você folheia o da sua vizinha e compra um pano de prato, um kit de facas, um jogo para banheiro e almofadas para seu sofá. É válido, olhando pelo ponto de vista publicitário, colocar sua marca numa camisa de futebol, centenas de milhares de pessoas (ainda mais sendo numa CAMISA DO CORINTHIANS, uma das maiores torcidas do país) verão seu nome ali, e atribuirão um valor sentimental a isso. É uma boa recompensa ao investimento feito a patrocinar o time. Mas eu, como torcedora, olho a camisa do meu time e fico pensando: Se entrar mais um patrocinador, acho que eles tiram o símbolo do Corinthians... ou talvez diminuam o número do jogador, não servem para nada mesmo! O juiz que se vire na hora de dar o cartão, que adivinhem ou olhem o número pequenininho no calção. Sabe, tenho medo de que entrem mais patrocinadores e acabem reduzindo o nosso escudo a uma pequena marca na manga, tirando ele do lado esquerdo do peito. Mas uma coisa é certa: podem aparecem milhares de patrocinadores, e nosso uniforme ter mais logotipos do que o Anuário do Clube de Criação de São Paulo, uma coisa nunca mudará. O amor que trazemos no Coração pelo nosso time. 
Salve o Corinthians!


terça-feira, 7 de julho de 2009

Uai Godi, uai?

Não, não se trata de um post sobre Minas Gerais (pelo título). Falaremos hoje da Reforma Ortográfica. Sim, esta intrusa que se apossou de nossa língua! Quem vos fala é uma estudante de Publicidade, amante das Letras e da Literatura, e acima de tudo, uma cidadã dessa Terra de Ninguém. Cabe adiantar que não vou falar mal do nosso digníssimo Presidente, que não é segredo, não sou nada fã, mas do ato em si. Os acentos e as tremas estão engasgados em minha goela, pedindo pelo amor de Deus, pra sair. Despejarei aqui o meu desagrado. Tudo bem que fomos colonizados (mal e porcamente) por aquele país Lusitano, tudo bem que nosso dialeto é(era) quase igual, até aí, beleza, tranqüilo. Somos 'filhinhos' deles. Tá. Mas crescemos, evoluímos, nos desenvolvemos e adquirimos nossos próprios costumes, nossa cultura, e nossa língua. Bem disse Olavo Bilac ""A Pátria não é a raça, não é o meio, não é o conjunto dos aparelhos econômicos e políticos: é o idioma criado ou herdado pelo povo." Somos portanto, donos de nossa linguagem, herdeiros do que nossa língua se tornou. Ela é nossa Pátria, nossa identidade... reforma ortográfica é o mesmo que nos deixar órfãos e nos forçar à adoção... Viramos um grande massa, unificada de pessoas sem pátria. Exagero? Não acho que seja. Adotar a reforma ortográfica é retroceder até o início de nosso país. Voltamos para 1542. É dizer que nosso povo e os povos dos outros países envolvidos é um só (e logo no nosso país, um dos mais miscigenados...). Tudo bem, somos irmãos, e talz, mas desde a torre de Babel *momento viagem* as pessoas que moram em locais diferentes têm seu próprio idioma... *voltando à realidade* Talvez devessemos fechar nosso país e fingir que não fomos descobertos ainda, e esperar que algum outro país nos encontre (e eu, particularmente, prefiro a Irlanda) e nos dê uma colonização digna para que possamos nos reestruturar e seguir em frente, pensando num futuro melhor.
E uma última consideração a fazer para o Marolinha:
Acho que o Lula estava com uma séria crise de identidade ao assinar a Reforma. Quem anda para trás é crustáceo e não molusco.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Acho páia

Reformulando o post (mas só pq a Má me convenceu ahauhauahauhauhaauhauaha)

Acho páia lançar versões de músicas alheias sem autorização... ainda mais versões ruins... me dá vontade de gritar Why God Whyyy pra letras sem conteúdo e/ou mal escritas. Más produções e essa palhaçada da mídia, de divulgar o que tá mal feito, muitas vezes expondo as pessoas ao ridículo (vide comunidades e comentários no Youtube sobre Stefhany), Why God Whyyy?. Poderia citar uma infinidade aqui, de letras vazias(pagode, azé, funk...), maaaaaas é uma opinião minha ahuahauahauha e o que seria do Azul se todos gostassem do Amarelo, não é mesmo?
Na foto, Stefhany, vídeos lançados no Youtube renderam comentários maldosos (incluindo meus) sobre letra ruim, versão horrível, má produção e etc, e que a mídia tem transformado em rainha.




Daqui pra baixo não vou mudar ahuahauhauahauhah




Bem feito a Vanessa Carlton ter proíbido a versão stefhanizada de A Thousand Miles, BEM FEEEEEEEEEEEEEEEEEEEITO!!! Acho palhaçada ficar estragando a música dos outros.



Que fique claro que não tenho nada contra a Stefhany, pessoa, pois não a conheço, mas como intérprete, me dá vontade de gritar: WHY GOD, WHYYY???? Principalmente por estragar a música alheia.


Obs: comentários são bem vindos, mas use o bom senso ;)

Obs 2: Não gosto das músicas nem da voz da Stefhany, procurem mais dela no Youtube além de Absoluta ;)